Carnaval 2018

O Carnaval Rio 2018, promovido pela Riotur, bate recorde orçamentário, garantindo investimento privado total de R$ 35 milhões, oferecidos pela Uber e Dream Factory. Reduzido o investimento da Prefeitura do Rio, destinado prioritariamente para pastas como Saúde e Educação, o papel da Riotur nessa captação de patrocínios corrobora a intenção de tornar esses eventos autofinanciáveis, minimizando o impacto no orçamento público e atraindo capital particular para a realização do maior evento do Rio de Janeiro.

Este valor cobre os custos operacionais do Carnaval de Rua, desfiles dos Grupos de Acesso na Avenida Intendente Magalhães, Blocos de Embalo e Enredo, Palcos e Bailes Populares. O investimento será destinado a melhorias estruturais e de ordenamento, incluindo segurança, fiscalização, operação de trânsito, comunicação visual e banheiros químicos; além de cinco centros de videomonitoramento, instalados nas áreas de maior circulação.

Parte do valor arrecadado junto à iniciativa privada também comporá a subvenção dada às escolas do Grupo Especial, totalizando um investimento de R$ 19,5 milhões, somadas apenas as parcelas da Prefeitura do Rio e da Riotur. A Liesa, que reúne as 13 agremiações do Grupo Especial, receberá R$ 27,5 milhões no total, incluindo ainda R$ 8 milhões oferecidos pelo Ministério da Cultura, o que apresenta um acréscimo de R$ 3,5 milhões em comparação ao aporte dos anos anteriores.

A história do Carnaval carioca

O Carnaval do Rio de Janeiro é uma festa popular de cunho histórico, social e religioso; realizada durante cinco dias consecutivos no mês de fevereiro desde 1892. Esse festival é considerado o maior carnaval do mundo, desde 2004, pelo Livro dos Recordes.

Constitui-se de uma manifestação cultural e festa popular mundialmente famosa e uma celebração constituída por diferentes tipos de manifestações, como desfiles de escola de samba, bailes de máscaras, festas móveis dos blocos de embalo seguidos por seus foliões fantasiados, e ainda bandas de rua e blocos de enredo (“escolas de samba” de pequeno porte), chamadas de cordões. Também se caracteriza pela irreverência e banalidade, pelos nomes de duplo sentido (especialmente dos blocos) e pela diversidade cultural, musical e sexual.

Após um período de decadência dos festejos de rua nas décadas de 80 e 90, quando o carnaval da cidade resumia-se quase que unicamente aos desfiles das escolas de samba, o carnaval dos blocos e bandas de rua voltou a crescer, entrando oficialmente para o Guinness Book. Atualmente, o carnaval de rua da cidade é cerca de cinco vezes maior que os festejos realizados pelas escolas de samba e apresenta-se como um evento multifacetado, possuindo: blocos dos mais variados ritmos, como samba, marchinhas, ritmos nordestinos, entre outros; e blocos temáticos que tocam de Mamonas Assassinas a Beatles.

O carnaval carioca pode ser considerado um evento cultural de alto prestígio, já tendo sido eleito, pelos internautas do site estrangeiro Fun Party, como a melhor festa do mundo. É citado, constantemente, como o carnaval mais famoso que existe.

 

Escolas de Samba